domingo, 28 de setembro de 2014

Até quando os pré conceitos nos afastarão da cura?


Uma reflexão sobre a sexualidade feminina

Tenho acompanhado à distância casos de mulheres que apresentam disfunções menstruais, dores na região lombar, surgimento de erupções na região genital sem comprovação laboratorial de DST e outras anomalias referentes aos órgãos sexuais.
Curiosamente, a última possibilidade aventada pela maioria é a de que isso seja um sinal de uma memória traumática em termos de sua sexualidade e que o tratamento de tal memória possa extinguir, sem medicamentos alopáticos ou com sua participação, os sintomas físicos.
A maioria de nós gasta somas consideráveis em salão de beleza, escova progressiva, cirurgia plástica, roupas, sapatos e toda essa gama de acessórios à dita beleza feminina, contudo, não é raro esquecer que a verdadeira beleza vem de dentro, até que o corpo começa a servir de sinalização. É como se as células fizessem uma reunião e mandassem o seguinte recado:

- Ei, você! Tem uma coisa escondida aqui! Precisamos que isso seja visto, liberado, purificado!
Obviamente que pensamos em algo contraído de fora para dentro, o que até pode ser verdadeiro em muitos casos. Porém, em outras circunstâncias são as questões internas saindo pelo escape.Literalmente pedindo socorro.
Obviamente que tratar de memórias traumáticas não é fácil e muitas de nós chegam mesmo a adiar o momento de mover essa energia e qualquer pessoa que toque neste assunto, mas algumas fogem do tema por puro pré-conceito.

Falar em terapia sexual ou terapia tântrica pode ser motivo de ofensa para muitas mulheres. Entendo que há muita confusão quando se fala especialmente em tantra, pois em muitos casos ficou preso à sexo e ponto final( o que também não seria nada absurdo, pois o sexo pode ser a cura, se consciente), mas tantra é muito mais do que essas idéias pré-concebidas ou o que se vê em alguns sites da internet. É uma filosofia milenar que inclui mantras, yantras, meditações, exercícios para liberação energética, massagens, posturas de yoga, dança sensorial, práticas de purificação e até mesmo o próprio ato sexual, dependendo da escola, pois a alquimia sexual é uma das vias para a transmutação da energia, mas tudo ao seu tempo e nem é aplicável a todas as pessoas e por todos os profissionais. Cada caso é um caso. O importante é a pessoa não negar a si mesma e as inúmeras possibilidades que a vida oferece constantemente.

Obter conhecimentos a respeito dos chacras, plantar sua lua, elaborar sua história, desapegar do passado, permitir e aceitar a purificação, liberar-se, mudar hábitos, aceitar a si mesma, acolher-se, conhecer-se...Fatores fundamentais para a cura.
Muito tem se falado sobre o que é sagrado, mas colocando o sagrado em uma caixa cheia de limitações.
Sagrada é a natureza que se expressa a cada instante diante de nossos olhos. Se formos atentos, olharemos para ela como os sábios Rishis do passado e perceberemos onde estão e como começaram nossos desequilíbrios.
Fica a dica: Para subir nos degraus da consciência, é necessário coragem para descer nos seus submundos. Ninguém se ilumina sem antes conhecer bem sua sombra.
Rejane Sales (Raginii)

Nenhum comentário:

Postar um comentário