quinta-feira, 29 de março de 2012

O Casamento na visão do Tantra


O Casamento e a Tradição Tântrica...
Por: Chandra Veeresha

Muitas pessoas me perguntam sobre casamento. Em geral, pessoas que já vivem em algum relacionamento há anos e que ingressa na Tradição Tântrica. Pelo falo do Tantra apontar muito para a liberdade, acreditam que o casamento não faça parte do Tantra, ou que seus relacionamentos devem ser “abertos” o que gera desconforto para quem já se acostumou com outra forma de viver.
O desconforto é normal. Primeiro deve-se investigar quem é que se sente desconfortável com isso: O Ego.

O Ego quer dominar; manipular; aprisionar o outro. O coração não. Dizem que o amor liberta e eu lhe digo que o amor é a própria liberdade. Se reconheço que ninguém é um objeto de posse, então não há nada que libertar, apenas deixar que ele seja o que é.
Isto não é fácil nem difícil. Se toda vez que voce se sentir carente mesmo sendo casado e olhar para voce, observar que o outro não tem responsabilidade nenhuma sobre a sua felicidade, voce dará um passo adiante e começará a compreender a essência do Tantra.
O Casamento deve ser uma celebração. O casal deve estar junto por amor e não, por tolerância ou comodismo. A tolerância faz parte do Ego e o Amor do coração.
Se voce ama, então sentir-se amado não faz a menor diferença, porque o amor flui de voce. Voce se torna o próprio amor. Mas quando há apegos, então sempre existem aquelas “provocações” e uma insatisfação eterna...
É voce quem decide o que quer para sua vida: Celebração ou Miséria.

Celebre o prazer da companhia do ser amado. Celebre o prazer de estarem juntos Aqui e agora e perceberá que viver junto (mesmo tendo recebido as bênçãos de um sacerdote ou de um juiz)nem sempre é casamento.
O casamento é algo que vai muito além. Por isso, o Tantra não é contra o casamento, de forma alguma. O Tantra é a favor do amor em qualquer circunstância, que isto fique bem compreendido.
Dizer ao seu parceiro o tempo todo o que ele pode ou não pode fazer, não fará de voce uma pessoa mais feliz. Isto é pura ilusão O que lhe fará feliz é saber que ele está feliz fazendo algo, expressando algo ou apenas sendo...
Mas é preciso uma revolução interior para que voce consiga estar relaxado com a felicidade do ser amado. Na realidade esta revolução interna é preciso para que consigamos estar felizes com a felicidade de qualquer pessoa, já que cada uma delas tem uma história, caminhos percorridos, dores e prazeres.

Para ser feliz no casamento é preciso que haja muito companheirismo. Converse com ele. Abra seu coração sempre que sentir necessidade e permita-se ouvi-lo, sem julgamentos. Atitudes simples como estas farão dessa relação um casamento de verdade. Esqueça se “será para sempre”. Para sempre é Aqui e Agora.
Olhe mais nos olhos de quem voce ama. Já percebeu que sempre que estamos com raiva de alguém, não conseguimos olhar em seus olhos?Já dizia o poeta: Os olhos são o espelho da alma.
Toquem-se mais. Cantem, dancem, banhem-se juntos, meditem juntos. Mas, reserve sempre um tempinho para também meditar só. E não interfira se ele quiser fazer o mesmo.
Vejo casais que dizem que se amam, mas que a todo o momento estão fiscalizando um ao outro (para onde vão com quem conversam ao telefone, proibindo roupas e amizades). Isto não é sequer um tipo de amor. Primeiro compreenda isso e mude sua atitude interior. A meditação lhe ajudará neste caso e havendo amor, o casamento acontece: Os dois se tornam Um.
Muitas práticas tântricas fortalecem a relação a dois. Uma relação só existe se ambos puderem amadurecer por meio dela. Do contrário, é delírio!
Alguns casais (emocionalmente mais maduros) permitem - se ter relações extraconjugais e asseguram que isso só melhora a relação, pois ambos não fantasiam, mas executam o que sentem vontade e, quando estão juntos,se complementam.. Outros tem ralações extraconjugais somente se isso fizer parte de algum ritual que poderá ajudá-los em suas buscas espirituais. Há casais que já se permitiram relações extraconjugais, mas que amadureceram tanto, a ponto de não sentirem mais esta necessidade ou de não se identificar mais com pessoas que não estão comprometidas com sua forma de viver e com a visão do Tantra (e como são raras as pessoas que compreendem profundamente os apontamentos do Tantra e mais ainda, que praticam, torna-se quase impossível se relacionar extraconjugalmente para estes casais-enquanto que a cada dia a relação entre ambos, se fortalece).. E há aqueles que nunca se questionaram sobre isso ou que se mantem fechados para novas experiências...

Uma coisa é certa: Em nenhum caso existe traição, pois traição implica mentira, enganação, medo...
E ambos devem estar de comum acordo sobre a de forma de viverem juntos!
A sociedade está enraizada na mentira; na traição. Isto porque os relacionamentos não estão baseados em amor e ainda, muito imaturos. Então, ambos mentem para evitar discussões e brigas, o que só prolonga o sofrimento. Quando “ a casa cai”, ambos saem feridos!
Permitir-se ser sincero na relação, significa permitir que o Amor floresça.
Então para o Tantra inexiste “isto é certo e aquilo é errado”. O tantra não possui uma cartilha repleta de mandamentos para que se possa seguir. Conforme a consciência avança, as mudanças acontecem. É assim também nos relacionamentos.

2 comentários:

  1. Olá querida!
    Tenho acompanhado suas postagens. Todas são sábias e admiráveis, porém esta em especial chamou minha atenção, pois retrata claramente minha forma de pensar e viver.
    Um caloroso abraço!

    ResponderExcluir
  2. Olá Josy!
    Que alegria receber seu respaldo, especialmente num tema como este.
    Este é um assunto muito polêmico e difícil de agradar, pois as pessoas se habituaram a subjugar umas às outras, nas relações. O resultado disso?Pessoas que estão com as outras, só de corpo, mas não de alma...
    Mas uma vez na gaiola, como almejar a liberdade?E, uma vez apresentada a liberdade, como ter a coragem de sair da gaiola???
    Gratidão! Grande beijo!

    ResponderExcluir