quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Tantra é para Leões!


Por: Anand Milan & Chandra Veeresha

O Tantra é um mundo real, mas repleto de magias, onde a meditação, o toque, o sexo, o espírito e o corpo são vistos como um todo único, sem divisões, sem regras e com total aceitação de quem se é, de onde se está e do que se tem agora.
É importante compreender que Tantra não é nem negro, nem cinza e nem branco.
Tantra é a medicina da Era de Kali. Veio para desreprimir as pessoas; para levá-las a busca de si mesmas, para alcançar o self; o satori; o samadhi; a iluminação.
Quando se olha o Tantra dividido (e são tantas as divisões) cria-se internamente mais uma divisão e Tantra é justamente uma teia; a união de tudo; o fim da Dualidade e a presença da Unidade.
Estas divisões acontecem por causa do ego. Cada um puxa o seu tapete, leva consigo o que acredita ser bom e tira o que vê como “ruim”.
Existem diversos exemplos disso, catolicismo, afro, evangélicos, budismo, hinduismo e assim vai. Isso tudo só tem feito o ser humano, se represar mais, se destruir cada dia mais, e pode-se observar as pessoas surtando, matando, estuprando, etc...
Tantra é a junção; a permanência; o compartilhar.
Quando a ilustração de Shiva e Parvati aparece, simboliza a preservação do Amor; o despertar dessa energia sagrada; a pureza dos ensinamentos tântricos. Quando estão no coito, estão
unos; estão inteiros, estão presentes e por isso dura anos, séculos, milênios!
Em experiências, vivências, pesquisas, buscas, encontra-se o falso Tantra. Falso porque está quebrado; espatifado; dividido.
O preto não existe sem o branco, assim como a noite não existe sem o dia. São opostos que se complementam.
Pode-se separar, dar nomes, ter diversos apontamentos, mas no final é tudo uma coisa só. Tudo parte do mesmo princípio e volta ao mesmo princípio.
Todas as opiniões são validas, mas o Tantra é simples, é viver, amar, dançar, cantar...

O resto é ilustração para deixar a história mais animada.
Se o diabo existe, quem o criou?
Se Deus é o criador, quem foi o criador do diabo?
Se a cor branca é a matriz de todas as cores, quem criou a negra?
Isso parece idiota demais para ser tão mal compreendido... O que é negro e o que é branco?
Muitos pensam que Tantra é conhecimento e que é aprendido por meio de livros.

“Você aprende a nadar, somente se entrar na piscina. Você pode ler mil livros sobre natação, armazenar todos os dados e informações sobre como nadar, em sua mente, mas na prática você desconhece a natação e se em uma situação de risco, você for obrigado a nadar, sua leitura não poderá ajuda-lo a sobreviver”.

O Tantra para ser compreendido, antes precisa ser vivenciado. Para isso é que existem grupos vivenciais e experimentais.
Tantra é meditação, somente através dela é que podemos chegar a alguma compreensão.
Shiva só estava uno com Parvati porque estavam meditativos e nada mais.
Uma vela é acesa, você pode direcioná-la a seu anjo da guarda, ao seu mentor, mas eles precisam de luz? Se precisarem, então mude de anjos e de mentores!
Uma vela é acesa para levar luz à escuridão, assim como o Tantra é a luz para a desrepressão.

A forma social de viver, com métodos e receitas de “amor ao próximo”; essa falida forma de “compartilhar”, baseada na competição, onde a mente sempre tenta ganhar algo em troca de tudo o que faz, cria no ser humano uma “falsa identidade” enraizadas em conceitos cristãos que nuca tiveram nada a ver com os verdadeiros ensinamentos de Cristo.
Tantra aceita; permite tudo, o negro, o branco, o cinza e tudo mais. Isso são apenas cores e provavelmente você esteja totalmente apegado aos detalhes; ao superficial e o Tantra está no “profundo”.
Muitos bagulhos estão sendo incorporados ao Tantra e defender “bandeira de preto e branco”, parece coisa de comadre; de beata...
E tem mais, estão tentando fazer do Tantra, mais uma religião e o denominam “Tantrismo”.
Já basta o catolicismo, o hinduismo, o budismo e tantos outros “ismos” que nunca trouxeram nada de bom para o mundo? Só guerra (Tantra é a paz), discórdia (Tantra é a aceitação), divisões (Tantra é a unicidade) e dúvidas (Tantra é a iluminação).
Isso criou no mundo seres problemáticos, que esqueceram quem são e que vivem num mundo de mentiras, sendo guiados por cegos...

´´Deixe os mortos, carregarem seus mortos´´.

O Tantra é muito simples. Porque querer acabar com a beleza dele?
È um dos maiores ensinamentos de como abandonar os velhos padrões, as velhas idéias.
O que seria Marido e Esposa, por exemplo?
Um rótulo social dado, para denominar pessoas que ´´se gostam´´ e que talvez queiram compartilhar algo de suas vidas, mas que na sociedade, acaba se tornando uma convivência de obrigações.
Assumir que o Branco cria anjos e o Negro cria demônios, lembra políticos em época de Campanha, que promete, mas transformação de verdade, nunca acontece.
Quando se sente o Tantra circulando seu sangue e se instalando nas veias, somente há amor, todas as distinções e rótulos sociais são quebrados, todas as máscaras caem e fica somente a essência...
O Tantra é totalmente sensorial. Suas práticas estão relacionadas com o corpo; com o toque; com o prazer.
Quando se reconhece que tem um corpo e que esse corpo é um templo sagrado, desperta-se toda a forma de prazer, e é através do sexo que se alcança a mais alta forma de prazer; é através dele (também) que encontramos a nós mesmos; ao nosso MahaDeva (grande deus).

Negar o corpo é matar a Deus. Judiar do corpo é judiar de Deus.
Imagine-se dividido em duas partes. De um lado o seu corpo direito, e do outro seu corpo esquerdo. Isso é o que se faz com o Tantra quando o divide em ´´classes´´.
Tantra é respeito ao Sagrado, tanto o de fora, quanto o de dentro. Se alguém vive em divisão (branco e preto) está dividindo o mundo, está se levantando como soldado armado para a guerra, pois ou compreende e aceita que é metade energia masculina e metade feminina; ou se está apto a ser exterminado por sua própria culpa. Tantra ensina aceitação de TUDO, e nada tem a ver com divisões mentais e egoístas!
O contato, o olhar no olho, e o estar próximo são chaves para grandes compreensões.
Segundo os apontamentos tântricos, amor e liberdade estão lado a lado. Amor é aceitação de si mesmo e do outro tal como é.
O Tantra diz que você é Deus, e que quando reconhece a sua Divindade Interna, a manifesta a todos os lugares e pessoas. Você é o Amor vivo!
Os grandes mestres sempre que se iluminavam diziam ´´Eu sou Deus´´ pelo simples fato de reconhecer que eles são você e que você é eles. Mais uma vez a prova de que não existe divisão.

Jesus também extinguiu a divisão, quando disse: ´´Eu e o Pai somos UM´´.
Buda, quando se aceitou como iluminado disse: ´´Todos são Budas´´.
Como reconhecer o deus que habita em você?
Comece de onde você está. Se estiver no sexo brutal, inicie dele a sua transformação para algo mais elevado.
Quando alguém tem fome, quer saciar esta fome e se alguém lhe disser para não pensar em comida, aumentará ainda mais a fome. Por este motivo, se nossa sociedade continuar insistindo em reprimir as pessoas, mais se criará perturbações de todo o tipo.
O Tantra é realmente “Morte e Renascimento”. Quando uma pessoa começa a SER tantra ela percebe que tudo o que há na sociedade em que vive perde o valor, mas ao mesmo tempo ela aprende a ´´estar na sociedade sem fazer parte dela´´.
A sociedade criou “ovelhas”. Veja as pessoas em suas religiões seguindo mandamentos e se entorpecendo de ilusões, se escondendo umas atrás das outras, repletas de muletas e dependências emocionais. As ovelhas têm o hábito de andar sempre em grupos para se proteger. Quando uma se desprende do resto do rebanho, fica atordoada e geralmente morre por desconhecer o mundo longe das outras.
Tantra é para leões. Ele desperta em nós nossa individualidade. Nos dá a liberdade de sermos quem realmente somos.
O Tantra é a arte de se relacionar consigo e com os outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário