quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Onde está a verdadeira mulher???


Autor: Van Lysebeth ( extraído do livro Tantra Culto da Feminilidade)

"...Chamamos de mulher, seres que dela nâo tem, se não, a aparência, tomamos em nossos braços imitações inteiramente ou quase destruída.

A mulher é rara. Ao desposarem uma medíocre falsificação dos homens, um pouco mais artificiosa, um pouco mais maleável., a maioria dos homens desposa a si mesma. E a si mesmos que eles vêem passar pelas ruas, com um pouco mais de colo, um pouco mais de quadris, o todo envolvido em seda; é a si mesmos que eles perseguem, abraçam; desposa. Afinal, é menos frio que desposar um espelho. A mulher é rara, ela transpõe as enchentes, derruba os tronos, ela detém os anos. . Sua pele é o mármore!

Quando há uma, ela é o impasse do mundo... Para onde vão os rios, as nuvens, os pássaros isolados?Se lançar na Mulher... Mas ela é rara... Deve-se evitá-la quando a vemos porque se ela ama, é implacável, se ela detesta, é implacável. Sua compaixão é implacável... Mas é rara.

A verdadeira mulher, aquela que vem a nós do fundo das eras, a mulher que nos foi dada, pertence inteiramente a um universo estranho ao homem. Ela cintila no outro lado da Criação. Ela conhece os segredos das águas, das pedras, das plantas e dos animais. Ela fixa o sol e vê claro na noite. Ela possui as chaves da saúde, do descanso, da harmonia da matéria. É a feiticeira branca entrevista por Michelet, a fada de largos flancos úmidos e olhos transparentes, que espera pelo homem para construir o paraíso terrestre. Se ela se der a ele, será um movimento de pânico sagrado, abrindo para ele, na quente obscuridade do seu ventre, a porta para o outro mundo. Ela é a fonte de virtude: o desejo que ela inspira consome a excitação. Mergulhar nela devolve a castidade. Ela é estéril, pois detém a roda do tempo. Ou melhor, é ela quem semeia o homem: volta a pari-lo, nele reintroduz a infância do mundo Ela o devolve ao seu trabalho de homem. Dizem super-homem, não dizem super-mulher porque a super-mulher é aquela que faz o homem mais do que ele é. A ela, basta existir, para ser,plenamente. O homem deve passar por ela para passar a s”ser” , a menos que escolha outras asceses, onde ainda voltará a encontra-la, sob formas simbólicas.

Senhores, descobrir a verdadeira mulher é uma “graça”. Não ficar assustado, outra. Unir-se a ela requer a benevolência de Deus ...Que estranho encontro!Ela aparece bruscamente no rebanho das falsas mulheres, e o homem favorecido que a vê se põe a tremer de desejo e de tremor.

Diante de tudo isso, duas conclusões de impõem. Primeiro: o homem deve passar por ela para passar a ser. A mulher, toda mulher, é a verdadeira iniciadora do homem, sua via para o ser. Segundo: o sitema patriarcal privou o homem das mulheres verdadeiras, perigosas para sua supremacia. Em resposta, a mulher deve tornar-se consciente da Mulher que nela dorme: Já é tempo que ela saia do casulo!

O Tantra pode realizar essa tarefa essencial e salvar nosso mundo moderno da perdição. Que a maioria dos adeptos do tantra no Ocidente sejam mulheres, comprova essa intuição. Elas sabem que essa via Evolutiva é fecunda e as conduz à Verdadeira Mulher nelas escondida, para voltar a ser Shakti eterna, que não deveriam ter deixado de ser.

Se o homem quiser merecer a verdadeira mulher, ele deve, para começar, aceitar essa idéia e depois reestruturar sua vida em torno dos valores da feminilidade.

Para se livrar disso, o homem deverá concordar em redescobrir sua feminilidade oculta, reprimida. Isso é utópico? Não, pois ao antigo culto está em pleno ressurgimento."

Nenhum comentário:

Postar um comentário