segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Relacionamento - O Fardo das Promessas


Por: Chandra Veeresha

Sempre que uma relação amorosa se inicia, é mágico. Aquele “friozinho’ na barriga, sentir as mãos suando e as pernas tremendo, torna-se uma sensação de muito prazer.
Olhos nos olhos. Mãos que apertam mãos...
O casal apaixonado é capaz de se transportar ao “paraíso das ilusões” em milésimos de segundos. É tudo fascinante e perfeito. O primeiro beijo então, faz tocar sinos dentro de seus corações.

A relação inicia-se na liberdade, o que significa que inexiste um compromisso entre os amantes. Juntos, compartilham. Separados, sonham...
A paixão vai se apossando de cada célula do corpo e quando se percebe algo mais profundo está surgindo: o namoro.

Namorar é interessante, pois é quando o casal adentra nos mistérios um do outro, conhece seus gostos musicais, comida preferida, vocações e também a família. E é muito bom conhecer o outro, porque ele sempre mostra um pouquinho de nós mesmos!
No entanto, é também no namoro que o medo aparece. O medo de perder; ser enganado; não dar conta...

E com todos esses medos, o ciúme penetra a relação e corta seus corações como uma foice.
Tem sempre um mais ciumento que outro. Então, aquele que se tornou o “alvo do ciúme” faz milhões de promessas, a fim de passar segurança. Promessas quem bem lá no fundo, sabe que não poderá cumprir. Mas é melhor mentir que correr o risco de que o relacionamento chegue ao fim. As promessas são a valorização do medo.
E assim vão levando, acostumando-se a prometer e a ouvir promessas.
Quando um não cumpre o que disse (o que facilmente acontece), as brigas e discussões abalam o relacionamento. Mas o casal perdoa, chora e recomeça.
Até que chega o casamento.

Na minha visão, é preciso muita maturidade e convicção para “juntar os trapinhos”. E mais que isso. É preciso que haja muita sinceridade. Mas como um relacionamento baseado em mentiras, desconfianças, insegurança e ciúme chegam ao casamento?
O casamento é a “falsa segurança” que se tem de que o outro vai mudar; de que poderá moldá-lo á sua maneira, controla seus passos e quem sabe até, tornar o parceiro submisso.

No modelo tradicional de casamento (o cristão), o padre pergunta:
_ Prometm ficar juntos na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, amando-se e respeitando por todos os dias de suas vidas?
E os noivos dizem: - Sim1
E ele continua: - Prometem ser fiéis até que a morte os separe?
E eles respondem: - Sim!
Acredito que na maioria das vezes, esta é mesmo a vontade do casal, entretanto, a vida é uma caixinha de surpresas!

Todos os dias conhecemos novas pessoas e nos relacionamos com elas de alguma forma. Também conhecemos melhor nossos parceiros, no dia- a- dia e a nós mesmos.
Como prever que este casamento será para sempre?Como assegurar que nunca mais seremos capazes de amar outras pessoas? Como ter a certeza que jamais surgirá outro alguém que tocará os sininhos do nosso coração, já que mesmo depois de casados, continuamos vivos?

Impossível. Então, com o tempo, todas as promessas tornam-se um fardo difícil de carregar.

A mulher quer proibir o homem de fazer o que ele gosta e o homem, faz a mesma coisa. Futebol nem pensar. Diz a mulher.
E o homem em contrapartida responde:- Não quero você na casa de amigas solteiras.
Pronto! Está lançada a rede das chantagens onde quem cair primeiro se sentirá cada vez mais para baixo e infeliz, podendo inclusive, desenvolver algum quadro de ansiedade ou depressão. E o parceiro, desenvolverá a culpa.

Sou a favor de um tipo de relação que respeite as individualidades, mas isso deve começar do namoro.
Existem experiências para se passar juntas e outras, não. E ninguém pode nos privar de uma experiência que nos fará crescer. Por isso, seja sempre sincero, apesar de todas as conseqüências. Se tiver algo que considera importante falar sobre você, fale o quanto antes. Entre com poucas máscaras na relação. Evite as promessas e permita que o amor flua e seja eterno enquanto durar.

7 comentários:

  1. Chandrika vc conseguiu por em palavras o que todo mundo tem em mente e no coração, mas essa sinceridade é algo tão delicado não é mesmo, já que na maioria das vezes os erros de interpretação jogam tudo para o alto.Obrigada sempre por suas sábias palavras.

    ResponderExcluir
  2. É difícil vivenciar esta sinceridade, ainda mais quando a outra parte nem sempre aceita ser sincero ou quer ouvir sinceridades. E muitas vezes o medo de magoar nos entrava. Mas cada dia é um novo dia e cada novo dia trás um novo aprendizado. Parabens pelo texto...e parabéns pelo conteúdo integral do blog.
    Jaya Namastê.

    ResponderExcluir
  3. Natália!
    A sinceridade deve existir desde o início, mas mesmo assim, o jeito que nos expressamos também é importante. Para expressar nossa "verdade" jamais precisamos ser arrogantes ou grosseiros. Gratidão, minha querida por participar e deixar seu comentário.
    Grande e terno beijo!

    ResponderExcluir
  4. Manoel!
    Em geral, todos acham difícil ser sincero, pois o mundo criado ao nosso redor é um mundo de mentiras e ser autêntico exige coragem. É preciso prática mesmo, com o tempo percebemos que é mais fácil do que a mente imaginava...
    Beijocas
    Jaya!!!

    ResponderExcluir
  5. O problema é que as pessoas não estão preparadas para ouvir a verdade! E neste contexto a SINCERIDADE vira um palco para mentiras mais ou menos verdadeiras. Afinal, qual marido ousaria dizer que não sente mais prazer com sua esposa, mas que fica louco de desejo pela melhor amiga dela? Que esposa diria que prefere assistir ao capítulo final da novela que ela gosta em detrimento de um jantar romântico que pode acontecer num outro dia? A VERDADE só é libertadora para quem fala. Quem ouve, nem sempre a verdade é o melhor e aquilo que se deseja ouvir ... E neste cenário? Como fazer?

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Seu comentário é bastante pertinente. Entretanto meu apontamento e do Tantra é que jamais se deixe a relação chegar neste ponto. se chegou aí, se ambos não se interessam mais um pelo outro, as opções são procurar ajuda especializada (mas para isso tem que sentar e conversar) ou então, ir cada um para um lado.
    Acredite ou não, a verdade com o outro parte da verdade consigo mesmo. Se voce não for uma pessoa verdadeira consigo mesma, jamais será com o outro.
    Só um detalhe para que continuemos conversando, caso queira: Poste com um perfil que exista, por favor. Se nao tiver, crie um. Agradeço!

    ResponderExcluir